quarta-feira, 20 de junho de 2018

Vida e missão de Madre Antonia - O Nome Misericórdia

Antonia M de Oviedo e Schöntal, quando se tornou fundadora, tomou o nome de Misericórdia, assumindo como sua tarefa: a de resgatar a mulher caída. Ela não poderia encontrar um nome que se harmonizasse melhor com ela. Assim, como o nome na História da Salvação sustenta o ser e a missão de quem o carrega, Antonia também, ao adotar a da Misericórdia, identifica-se com seu significado íntimo, porque era a misericórdia seu modo; era seu elemento; era ela misericórdia de nome e em seu âmago.
Em Antonia, a misericórdia não era o silêncio covarde e cômodo em ocasiões que é preciso falar; isso, em outras palavras, se chama claudicação. Ela falava e corrigia, mas com misericórdia, que é mais que com mansidão; unia tudo isto que é tão difícil reunir: mansidão, carinho, sinceridade e firmeza, em partes iguais, tendo substância de caridade como excipiente.

Nesta nova escolha, ela descobre-se portadora do dom de amor e enviada à missão de salvar “o que se havia perdido”. Misericórdia é um amor que salva. Amor incorporado na necessidade de salvação. E quando o amante se debruça sobre o amado carregado de miséria, não pode haver outra forma de relacionamento salvífico além do "amor misericordioso". Tal é a presença encarnada do Deus-Amor entre as pessoas. O próprio homem, feito em tudo igual ao ser humano, menos em pecado, assume a miséria da pessoa para libertá-lo pela força de seu amor misericordioso.

Fonte: A venerável M Antonia – A pedagogia do amor.


Conheça nosso Instagram: @vocacionaloblatas


sexta-feira, 15 de junho de 2018

Jesus, o desafio da liberdade!

O Evangelho de Marcos (1,21-28), continua apresentando-nos Jesus no primeiro dia da proclamação da Boa Nova. Ele se encontra na sinagoga em Cafarnaum e nesse dia prega a Palavra de Deus que foi lida e escutada. Mas sua pregação é diferente: desmascara a malignidade de tudo o que desumaniza a vida das pessoas e impede-lhes de ser feliz. Ensina e atua com autoridade fundamentada no poder liberador de Deus.

A missão de Jesus é libertar os oprimidos e escravizados pelo poder do mal. Baseado na Palavra, Jesus ensina com autoridade e realiza aquilo que ele está proclamando: liberar as pessoas de qualquer forma de escravidão, abrir suas consciências para que não se deixem oprimir.

Marcos não diz qual era o ensinamento de Jesus. Ele menciona-o junto com uma curação e sugere assim que o ensinamento com autoridade repouse numa prática concreta de libertação. Os próprios fatos que Jesus realizava eram seu ensinamento. 

O povo simples e geralmente marginalizado pela sua condição de impureza é quem primeiro o reconhece e busca seu ensino.

“Mais daquilo que ele falava o que impactava era esse poder de suas ações em favor da vida e contra o mal que esmaga o homem. A presença de Jesus privava o homem de toda força. Essa era a clave de sua autoridade: ele não tinha estudos, nem credenciais ou graduações que o autorizavam, mas quando ele falava alguma coisa acontecia em favor dos que sofrem”.

Jesus está na sinagoga, no dia de sábado. E nesse espaço é data sagrada para um judeu realizar seu ensinamento expulsando os espíritos imundos que o reconhecem como representante de Deus. Agora, bem, esta proposta de Jesus provoca admiração naqueles que ficam maravilhados de sua autoridade de liberar e curar as pessoas e, por outro lado, encontra-se com uma forte oposição. Esta oposição está representada pelos escribas, colocados no mesmo caráter que os escribas: ambos são inimigos de Jesus.

“A primeira ação publicada de Jesus é também uma ação programática de purificar a Casa de Deus e libertar as pessoas de tudo que as aliena e desumaniza”. (Wenzel, João Inácio)

Os escribas e fariseus são incomodados pelas suas palavras e autoridade de Jesus que é reconhecida pelo povo simples que sente nascer em Jesus uma nova esperança de vida e liberdade.

Jesus nos convida a ser junto com ele pessoas que gerem vida, sem permitir que os diferentes tipos de escravidão continuem oprimindo as pessoas que caminham ao nosso lado. Participar de sua convicção de ter uma missão e ser responsável de uma causa que é a causa do Pai.

Texto de Ana Maria Casarotti com adaptações.



Conheça nosso Instagram: @vocaconaloblatas

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Vida e missão de Madre Antonia - Consagrada para Oblata se tornar

Antonia preparou-se para esse momento privilegiado em total abertura à graça e descobriu que esta lhe exigia despojamento absoluto de si mesma para tronar-se acolhida, disponibilidade plena, misericórdia, e assim mudou o nome. A partir de agora, chamar-se à Antonia Maria da Misericórdia.

No dia 2 de fevereiro de 1870, de modo simples, sem cerimonia, mas repleta de celestial alegria, Antonia finalmente realizava seu sonho de viver inteiramente e integralmente ao Senhor. Com o nome de Antonia Maria da Misericórdia, vestia o pobre e simples habito religioso de cor cinza. Assim, em total simplicidade, nascia a Congregação das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor. Nem mesmo Padre Serra pôde estar presente. Ele participava em Roma, do concilio Vaticano I. 

Depois em 25 de março de 1873 Antonia fez a profissão religiosa diante o bispo Serra e rodeada por um grupo de moças que tinham vivido a experiência da prostituição, ela consagrou a vida a Jesus Cristo para continuar “na Igreja sua obra redentora em favor da mulher marginalizada e mais necessitada de proteção humana e espiritual”. 

Fonte: M Antonia Maria da Misericórdia – oblação e serviço a mais pobres.


Conheça nosso Instagram: @vocacionaloblatas


sexta-feira, 8 de junho de 2018

Maria: Mãe e missionária do Pai com Jesus

Maria é missionária por vários fatores, mas ela é acima de tudo missionária porque nela se realiza e se gesta o transbordamento do amor de Deus, Jesus Cristo.

Maria está sempre envolta dessa presença do mistério divino, desde o seu SIM, pelo qual tornou-se a mãe do Salvador (Lc 1, 26-38) até o seu SIM dolorido e sofrido aos pés da cruz de Jesus (Jo 19, 25-27). Ela se torna filha bendita por meio do amado Filho! Reconhecemos em Maria o autêntico itinerário que cada batizado deve trilhar para viver como missionário.

A Virgem Maria nos ensina a ter fé. Ela conservava no coração tudo o que ouvia e via, e por isso foi feliz, porque acreditou. Ela acolheu o Verbo encarnado em seu ventre e a partir de então passou a realizar a peregrinação da fé, seguindo o seu Filho. Ela não permaneceu alheia e indiferente ao amor e a presença de Deus em sua vida, mas se envolveu e deixou-se cativar pelo mistério de amor de Deus.

Invocando-a sob vários títulos, ela vem ao socorro de toda a humanidade nas mais variadas situações e perigos. Nela a Igreja se reconhece também como Mãe, disposta a ir aonde Cristo quer que o amor de Deus alcance. Maria é a primeira evangelizada (Lc 1, 26-38) e a primeira evangelizadora (Lc 1, 39-56).

“Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5). Os missionários, ou seja, todos os batizados, que gastam a sua vida à frente dos campos de missão ou no dia-a-dia do seu trabalho, da vida familiar e das ações eclesiais encontram em Maria o modelo perfeito de dedicação e fidelidade, pois ela se consagrou totalmente como Serva do Senhor.


Texto de: Pe. Helder José, C.Ss.R - com adaptações.
Fonte: A12.com



Conheça no Instagram: @vocacionaloblatas

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Vida e missão de Madre Antonia - Um recomeço

Em sua vida, Antonia passou por vários momentos difíceis, e com muita fé se entregou a providência Divina, que sempre se fez presente. 

Em 1868, Antonia elaborou o regulamento da Instituição, da qual emanam os objetivos da mesma: “recuperar a dimensão humana das moças acolhidas, ajudá-las a encontrar-se com Deus e reincorpora-las à sociedade, se assim for o seu desejo.” Tudo parecia ir de vento em poupa, quando foi preciso recomeçar quase do zero. No dia 4 de março de 1869, um incêndio, originado nas proximidades do asilo, que num quarto de hora, arrasou a Igreja e parte da casa; adiando sonhos e planos... Outra vez recomeçar.

As coisas não foram fáceis. Padre Serra disse numa carta a Antonia: “Seja valorosa e não desanime por coisa alguma neste mundo. Está é a Obra de Deus, nós trabalhamos pela salvação das almas... Não temo nada, exceto o seu desalento. Perdoe-me! Confio que a senhora nunca me decepcionará.”. 

Novamente a esperança coloca Antonia a prova, bem como a resposta generosa dos amigos incondicionais. Antonia escreve: “De Deus era o asilo e Deus o tomou para si; bendito seja seu Santo Nome e adorável a sua vontade”. “Dissemos: levantemos a casa de Deus e quando o tivermos a Ele conosco tudo se tornará mais fácil para nós.”

Desta vez a solidão de Antonia durou pouco tempo. Diante da desgraça do incêndio, um grupo de amigas correu a ajuda-la. Uma delas, Trindad Carreño, decidiu permanecer a seu lado. Juntas, iniciaram a nova aventura do Espirito em pobreza e oração. 

Fonte: M Antonia Maria da Misericórdia – oblação e serviço a mais pobres.



Conheça nosso Instagram: @vocacionaloblatas